quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

a menina e o povo




a menina nasce. querem que ela seja linda, que ela tenha brincos e que ela vire uma princesa. a menina cresce. querem que ela diga coisas fofas, que seja carinhosa e que só brinque de boneca. a menina cresce mais um pouquinho. querem que ela aprenda a cuidar da casa, que ajude a lavar os pratos e que passe uma vassoura. do seu irmão não querem nada. a menina vira mulher. querem que ela não provoque, não fale palavrão e não esqueça de cruzar as pernas. a mulher é mal falada. querem que ela feche esse decote, que seja como a filha de fulano e que não tenha amigos homens. a mulher é assediada na rua. querem que ela não rebole, que não use essa saia e aceite de vez ouvir esses elogios. a mulher é assediada na festa. querem que ela não beba, que não dance, não diga nada. a mulher se apaixona. querem que ela aceite, que homem é assim mesmo e que é pra mulher direita que ele volta. a mulher engravida. querem que ela tenha o filho, que ela fique realizada e que entre em forma rápido. a mulher se separa. querem que ela emagreça, que nenhum homem vai querer alguém assim e que ela tem que se valorizar. alisa esse cabelo, ajeita esse nariz, levanta esse peito. a mulher entristece. querem que ela seja feliz, que tenha remédios controlados e não coma glúten. a mulher envelhece. querem que ela não tenha cabelos brancos, que não tenha desejos e não use essas roupas. a mulher morre. e as pessoas continuam querendo.



Um comentário:

  1. Chega de tanto querer, nasci pra mim não pra você.
    O que querem que eu seja, não é o que sou.
    Que eu viva cega, só de amor.

    ResponderExcluir

Agora, me conta uma coisa você.